27.5.18

Edit: algumas coisas eu sempre repito, outras eu sempre corrijo

"Bruno, você tem cara de que ainda usa o Winamp no computador."

Sim, eu ouvi isso.

Sim, eu uso isso.

It really whips the llama's ass!!!

O Windows 10 é muito bom na minha opinião, mas o player de áudio e o visualizador de imagens deles são só um "pelo menos".

Winamp e XnView ainda são meus prediletos.

A propósito, o que andam usando por aí atualmente?

21.2.18

12.2.18

Not so high! Not so high!

Eu tenho essa minha foto oficial que já me acompanha faz uns 15 anos. Mais detalhes sobre ela nesse post do meu outro blog.

Ela está em todas as minhas redes sociais e aplicativos de comunicação.

Aí comentaram comigo que pareço o menino do filme do ET nela.

Ou o próprio ET, não lembro.
Figura 1 - o ET levando o Elliot para passear
Acabo de assisti-lo novamente pela Netflix.

O Elliot, com aquela "cara de certeza" ao longo do filme, é fantástico!

Fora isso, eu nunca assisti um filme tão incômodo na minha vida.

Crianças fumando em casa, dissecando rãs na escola, a mãe num estado de alienação completa, agentes do governo bisbilhotando sua vida... todas aquelas atuações improváveis... tudo isso faz o extraterrestre parecer a coisa mais normal do mundo. Com bicicleta voando, nave espacial e tudo.

Desisto desse mundo. Cadê minha espaçonave?

5.1.18

até tu, Jarre?

Jean Michel Jarre, o músico francês que sempre esteve na vanguarda da música eletrônica, entrou numa viagem que não anda me agradando nada.

Desde que lançou "Téo and Téa" (tenho um post sobre isso) ele se enveredou para o lado do gênero rave, trance, etc., e, pra mim, ele perdeu sua essência, aquela coisa autêntica do mundo do computador e do sintetizador... aquele futurismo retrô... aquela coisa inequívoca que sempre se pôde chamar de "Jarre".

Agora ele vai participar do festival Coachella, executando as músicas do álbum "Electronica". Nada mais apropriado para o festival, mas nada mais inapropriado para seu próprio legado.

É como se ele tivesse ultrapassado uma linha imaginária que divide "nós" dos "outros". E essa linha não tem volta.