5.1.18

até tu, Jarre?

Jean Michel Jarre, o músico francês que sempre esteve na vanguarda da música eletrônica, entrou numa viagem que não anda me agradando nada.

Desde que lançou "Téo and Téa" (tenho um post sobre isso) ele se enveredou para o lado do gênero rave, trance, etc., e, pra mim, ele perdeu sua essência, aquela coisa autêntica do mundo do computador e do sintetizador... aquele futurismo retrô... aquela coisa inequívoca que sempre se pôde chamar de "Jarre".

Agora ele vai participar do festival Coachella, executando as músicas do álbum "Electronica". Nada mais apropriado para o festival, mas nada mais inapropriado para seu próprio legado.

É como se ele tivesse ultrapassado uma linha imaginária que divide "nós" dos "outros". E essa linha não tem volta.

Um comentário:

Ocho disse...

Acho que muitos músicos tentam entrar na onda do "moderno" e atual lançando músicas e ritmos que estão em alta hoje. Eu curto muitas músicas pop japonesas, mas estou com uma pulga atrás da orelha em várias atuais por ter ritmos chapados de músicas norte-maericanas como rap, e afins...